terça-feira, 10 de abril de 2012

Voltando de férias!


Pois é,

voltei destas mini férias. Apesar de terem sido de uma semana, considero mini porque tinha de me levantar cedo na mesma (vá, não era às 7, mas era às 8, portanto cedo na mesma) para levar o meu rapaz ao infantário. E além disso, depois durante o dia, tinha montes de coisas para fazer até chegar a quinta-feira que foi o dia de viagem para Bordonhos.

Nesse fim de semana prolongado de Páscoa, descansar também não estava dentro dos planos, mas deu para me distrair e bem. Aconteceram coisas muito boas, coisas boas e coisas menos boas. Enfim, de tudo.
Em resumo, sobre o fim de semana da Páscoa não tenho nada para reclamar (tirando um certo almoço onde fui enganado pelo restaurante, mas nada de especial).

No último dia, o meu rapaz resolve constipar-se um pouco, ou seja, passou a última noite no norte sempre a tossir. Acho que a culpa até foi minha, penso que ele tenha apanhado um resfriado, esperemos que se cure num instante também.

Fomos também fazer uma pequena visita à Serra da Estrela, onde apanhamos neve e vimos nevar também. Coisa com que não contávamos uma vez que não tem chuvido nos últimos meses, e por isso não fomos trajados como deveria ser.
Foi giro sim senhor, valeu a pena. O Guilherme ainda brincou e a minha sobrinha adorou e isso era o mais importante ao fim ao cabo.

Entretanto, eu estou um pouco em baixo. Talvez devido a não ter dormido nada de jeito nos últimos dias ou será mesmo a alimentação que tem sido demasiado pesada. Vamos lá ver se recupero agora que voltei à carga com o trabalho.

Brevemente trarei mais novidades, mas para já fico por aqui.

Espero que os meus poucos mas bons leitores tenham tido uma boa Páscoa. Ovinhos do coelho e amêndoas com fartura. Ah! para quem não sabe, ficam aqui alguns mitos sobre o significado do coelho, do ovo e das amêndoas da páscoa:

Coelho:

A tradição do Coelhinho da Páscoa foi trazida para a América pelos imigrantes alemães, entre o final do século XVII e o início do século XVIII.
No Antigo Egito, o coelho simbolizava o nascimento e a nova vida. Alguns povos da Antigüidade consideravam o coelho como o símbolo da Lua, portanto, é possível que ele tenha se tornado símbolo pascoal devido ao fato de a Lua determinar a data da Páscoa. O certo é que os coelhos são notáveis por sua capacidade de reprodução, e geram grandes ninhadas, e a Páscoa marca a ressurreição, vida nova, tanto entre os judeus quanto entre os cristãos.


Existe também a lenda de que uma mulher pobre coloriu alguns ovos de galinha e os escondeu, para dá-los a seus filhos como presente de Páscoa. Quando as crianças descobriram os ovos, um coelho passou correndo. Espalhou-se, então, a história de que o coelho é que havia trazido os ovos.Desde então as crianças sempre acreditaram no coelhinho da páscoa,a história que seus pais contavam para elas.

Ovos:

Apesar de estarem directamente ligados com o coelho, fica aqui mais informação sobre os mesmos.


Amêndoas:

Símbolo de uma nova vida para os Hebreus, a amêndoa está ligada a uma das mais lindas e populares lendas portuguesas: a da princesinha que por amor veio do frio e que, no calor algarvio, chorava a ausência da alva neve da sua terra.


Secaram-lhe as lágrimas as brancas flores das amendoeiras algarvias e transmontanas que o rei, seu marido, mandou plantar em profusão naquelas terras. Ainda hoje, é no Algarve e em Trás-os-Montes que encontramos a maior concentração de amendoeiras do País. No fim do Inverno, quando as amendoeiras se vestem de flores branco rosado, a paisagem muda completamente naquelas terras, oferecendo-nos o espectáculo único de um espetacular nevão.


O seu fruto, a amêndoa, várias vezes citada na Bíblia, não foi menos apreciada pelas monjas dos nossos conventos do que as flores o foram pela princesa nórdica. As nossas freirinhas descobriram-lhe um raro e esquisito sabor com que iriam enriquecer a já famosa doçaria conventual portuguesa.
Para além de simbolizar a vida, pureza e magnitude, na Páscoa, a palavra amêndoa é mais prosaicamente usada para significar presente. Dar ou receber as “amêndoas”, na Páscoa, não significa obrigatoriamente, como se espera, um pacote do saboroso fruto coberto de açúcar. Pode ser qualquer objecto desejado ou, melhor ainda, um espalmado envelope com o sempre bem recebido cheque. 


Não há muitos anos, quando a Aleluia era celebrada no sábado, grupos de crianças no Alentejo percorriam as ruas correndo e tocando pequenas campainhas, anunciando ruidosamente a ressurreição de Cristo na esperança de receber em troca amêndoas que lhes eram atiradas das janelas.

Origem do texto das amêndoas: Maria João de Almeida (vale a pena ver o link porque tem uma receita de amêndoas de sobremesa)

Enviar um comentário